home  
 
home
adicionar ao favoritos
indique esta página
english version soon
Ginásticas
História
Acrobática
Aeróbica
Artística
Geral
Rítmica
Trampolim
Conteúdo
Artigos
Biblioteca
Entidades
Hot Links
Notícias
Onde Praticar
Resultados
Especiais
Ginásios
Ginasloucos
Obstinação
Personalidade
Supereventos
Interação
Chat
Downloads
Fórum
Guestbook
Newsletter
Opinião
Institucional
Anuncie
Contato
O Site
Quem Sou
Serviços

Consultar arquivos

criação e
manutenção
d_e_n_i_x®
     
 
Personalidade
 
 
 
 

Personalidade 03 - Andreea Raducan

Andreea Madalina Raducan, nasceu em 30 de setembro de 1983 em Barland, Romênia, filha dos pais Gheorge e Simina Raducan.

A princípio, o pai de Andreea queria que ela houvesse nascido um menino, mas ele logo percebeu que não seria capaz de trocar a sua filha nem mesmo por dez garotos. Três anos depois, nasceria o irmão mais novo de Andreea, Simina. Andreea Raducan Quando Andreea tinha apenas cinco anos, o seu pai a levou ao ginásio local. Ele não esperava que Andreea se tornasse uma grande ginasta; apenas queria que ela se exercitasse e que canalizasse o seu excesso de energia, embora o seu sonho fosse ver os seus filhos um dia como grandes atletas.

Desde pequena, Andreea possuía uma postura muito séria em relação à ginástica e impressionava a todos, inclusive a sua primeira treinadora, Valeria Ionascu, com o seu trabalho dedicado e diligente. Ao contrário de muitas outras ginastas, Andreea começou a participar de competições importantes ainda muito jovem. A sua primeira competição aconteceu quando ela ainda era uma estudante primária, com sete anos de idade. Aos 10, ela já havia executado a sua primeira tripla pirueta - um elemento que muitos ginastas adultos executam com dificuldade. Em janeiro de 1996, Andreea foi finalmente selecionada para estar na Equipe Nacional Júnior da Romênia. Infelizmente, no mesmo ano, ela sofreu uma grave contusão no cotovelo que necessitou de uma cirurgia e levou seis meses até a recuperação. Uma vez de volta aos treinos, ela se mudou para Deva para integrar o time nacional e começou a treinar com os lendários técnicos Octavian Belu e Mariana Bitang. Depois disso, a sua vida mudou totalmente.

O seu sonho de se tornar uma grande ginasta estava finalmente se realizando. Ela trabalhou arduamente e, embora sentisse saudades da família, a qual ela via apenas uma ou duas vezes por ano, ela encontrou novos amigos em Deva, em especial Maria Olaru, pois ambas tem personalidades muito semelhantes. Logo, as companheiras de equipe de Andreea se tornariam quase irmãs para ela. Fica fácil treinar sete horas por dia, sete dias por semana, quando se tem  um grupo de amigos junto de si o tempo todo. O ano de 1997 foi de grande sucesso para a jovem Andreea. Ela terminou em segundo no Campeonato Nacional Romeno Júnior e competiu internacionalmente pela primeira vez,  nos EUA, de onde retornou com uma medalha de bronze por equipe. Andreea, porém, não obteve reconhecimento até 1998, quando competiu no Campeonato Nacional Romeno Sênior, surpreendendo ao terminar em terceiro lugar na competição. No mesmo ano, ela competiu no Campeonato Europeu Júnior e terminou em quarto lugar na competição, retornando à Romênia com duas medalhas de prata e uma de bronze.

Em 1999, Andreea se classificou em segundo lugar no campeonato nacional romeno e, finalmente poderia começar a participar de grandes competições fora da Romênia. Ela participou de vários amistosos e, no campeonato mundial ganhou a medalha de ouro por equipes, além do ouro no solo e da prata na trave de equilíbrio. Após a competição, Andreea disse à imprensa que se alguém lhe dissesse que ela ganharia uma medalha de ouro no individual em Tianjin, ela teria rido, mas acabara de perceber que na verdade aquilo era possível.

Andreea, a partir de então uma ginasta conhecida, participou do Grand Prix, onde continuou ganhando medalhas. Em 2000, ganhou a medalha de ouro no campeonato nacional romeno, no qual ela empatou com a sua companheira de equipe, Simona Amanar. Pela vitória no Nacional, Andreea conquistou a vaga na equipe olímpica romena, juntamente com as seis melhores do campeonato nacional romeno: Simona Amanar, Maria Olaru, Claudia Presecan, Loredana Boboc e Andreea Ulmeanu.

Nas Olimpíadas, Andreea não somente ganhou medalhas, incluindo a medalha de ouro no individual geral, mas também se tornou uma "queridinha" da mídia e ganhou milhares de fãs por todo o mundo ao perder a sua medalha de ouro após a detecção do estimulante pseudoefedrina (uma substância contida no Nurofen, um medicamento prescrito para gripe) no seu exame anti-doping. Ela havia tomado um comprimido uma  hora antes da competição, ocorrendo a detecção da substância proibida pelo COI no exame. Andreea, porém, ainda pôde manter a sua medalha de ouro por equipes e a prata do salto sobre o cavalo porque o exame somente deu resultado positivo após o individual geral. Andreea, tristemente, tornou-se a primeira ginasta na história a ser destituída da sua medalha.

Apesar do sonho olímpico de Andreea não ter durado muito tempo, ela sempre será a campeã olímpica no seu coração. Andreea recebeu uma medalha de ouro 18k, que pesa 60g e ainda gravada com as palavras "Andreea é a campeã olímpica eterna nos nossos corações", dos joalheiros locais. Ao contrário de outras ginastas, Andreea não tem nenhum plano de se aposentar da carreira de ginasta neste momento. Na verdade, ela está mais disposta do que nunca a mostrar às pessoas o que ela é capaz de fazer na ginástica, embora ela queira descansar um pouco agora.

Qual seria um melhor descanso para Andreea que passar um tempo com a sua família, e assistir aos jogos de futebol do seu irmão mais novo (o seu irmão joga pelo FEPA '74 Barland, que é um pequeno time de futebol local)?.....

Lágrimas de Alegria, Lágrimas de Raiva

A jovem campeã que foi desqualificada depois do teste anti-doping acusar positivo para drogas, intrigou a mídia, que mais parecia apontá-la como acusada, do que referenciar sua vitória.... ninguém realmente esperava vê-la no pódio. Ninguém excluindo... o treinador dela, e ela própria.

Esta foi a jornada de uma menina jovem inacreditavelmente talentosa. Por muitos anos a tradição romena tem sido revelar grandes novos ginastas nos Campeonatos Mundiais, como um rito de passagem preparando-os para as Olimpíadas. Não raramente, eles voltam com medalhas em seus bolsos. Este foi o padrão seguido por Milosovici em Indianápolis (1991) e Simona Amanar em Sabae (1995); em Tianjin foi a vez de Andreea Raducan. Mas primeiro permita-me voltarmos alguns anos. Em 1988 Andreea tinha cinco anos, e como muitas jovens romenas ela sonhou ser como as estrelas daquela época - Daniela Silivas e Aurelia Dobre. Sonhou tanto com isto que seus pais a colocaram no clube local, o CSS Barlad. em Barlad, uma cidade provinciana pequena no Norte da Romênia Oriental, que não tem o mesmo renome ginástico de centros como Bucharest ou Onesti; e dessa forma Andreea partiu nove anos depois para se unir à seleção nacional de Deva; deixando para trás a operação em seu cotovelo que fez com que ela ficasse afastada da ginástica por pelo menos seis meses. A ginasta tinha os requisitos necessários, caráter e capacidades físicas explosivas, aliado ao tipo de corpo perfeito: 1,48m e 36kg 'de músculo''. Em 1998 Octavian Belu a lançou no cenário europeu como júnior. Em Saint Petersburg ela ficou em quarto na classificação geral, e o mais importante: conseguiu duas medalhas individuais (uma de bronze no solo e uma de prata na trave de equilíbrio). Mostrou-se muito forte nestes dois aparelhos.

E um ano depois em Tianjin, ela reafirmou o seu talento e mudou a cor dessas duas medalhas, ao mesmo tempo que tornava-se a ginasta medalhista mais jovem da história dos Campeonatos Mundiais. Na trave, o seu aparelho favorito, ela exibiu o seu belo repertório a uma multidão surpreendida. Só a perfeição da menina chinesa, Ling Jie, roubaria o seu brilho e a medalha de ouro. Mas foi no solo, com a música hispânica 'Las Caretas del Roccio', que ela veio a conquistar seu primeiro título mundial. Com as suas duas medalhas, mais a de ouro por equipe, Andreea admitiu as suas ambições abertamente,  anunciando: "eu quero ser uma estrela", ao mesmo tempo que afirmava modesta: “eu preciso me aperfeiçoar porque agora eu tenho muito mais responsabilidade na equipe e todo o mundo estará me assistindo”. Melhorar, trabalhar duro a toda hora, é o segredo da escola romena. Quando perguntou-se se Andreea conseguiria manter suas vitórias e ignorar as investidas da mídia antes dos jogos,  Octavian Belu respondeu: “nós estamos acostumados ao sucesso na Romênia e a pressão da mídia tende a diminuir bastante depressa. Na ginástica a coisa mais difícil de se fazer é manter a continuidade do treinamento já que nós nunca ‘afrouxamos as rédeas’, mesmo após uma vitória. Nós esperamos que Andreea trabalhe duro e progrida ainda um pouco mais, de forma que ela possa seguir os passos de Milo e Gina. E, obedientemente, Andreea trabalhará; seis dias por semana cerca de duas sessões por dia, dando uma carga de trabalho semanal comum de até 48 horas. Tradicionalmente a seleção nacional se reúne depois dos feriados de Natal nas montanhas de Carpathian para treinar atrás da aptidão completa.

Eles utilizam essa época de inverno para reestruturar as suas séries, e se for necessário, para adquirem novas técnicas. Nesta fase para ser um concorrente à coroa Olímpica, a jovem romena precisou melhorar nas barras assimétricas e no salto. Assim quando Sydney chegou, o trabalho estava praticamente pronto. Embora as barras assimétricas dela ainda fossem relativamente fracas (ela marcou 9.525 no total), Andreea desvelou um salto novo, o mesmo executado pela menina espanhola, Moya (yurchenko 1/2 twist on, 1/2 twist off in the straight position; otherwise known as a Yurchenko into layout Cuervo). No solo ela trocou a sua música espanhola por um pedaço do filme escocês 'BraveHeart', um tema mais adequado para a ocasião. O sucesso dela estava garantido com uma marca de 9.825. Com um total principal de 38.893 pontos ela tinha alcançado o seu sonho: tinha se tornado a campeã Olímpica total, firmando as esperanças de uma nação inteira que, 24 anos depois da legendária Nadia Comaneci, tinha finalmente encontrado a sua nova rainha. Empoleirada nos ombros do treinador dela, Andreea tinha triunfado ao mesmo tempo que suas parceiras de treinamento Simona Amanar e Maria Olaru ocuparam as duas outras posições de medalha. Na entrevista coletiva ela foi brilhante, enquanto declarava: "Eu estou tão contente. Este era o meu grande sonho e eu ainda sinto como se estivesse sonhando....”. Três dias depois o sonho se transformou em um pesadelo. O teste anti-doping acusou positivo para pseudoefedrina, um estimulante contido nos tabletes de Nurofen ministrados pelo doutor da equipe dela por conta de um resfriado antes da competição, a jovem romena viu sua medalha ser retirada de suas mãos.

Era necessário privar Raducan do seu título Olímpico? O COI concluiu: "Este não foi um caso deliberado de doping. Nós consideramos que não foi uma ação voluntária, porém a presença de uma substância proibida na circulação sangüínea de um atleta torna seus resultados inválidos. Nós não tivemos escolha". Porém, Octavian Belu ficou muito nervoso. Na televisão romena ele declarou: “devolver esta medalha de ouro, foi o momento mais humilhante de minha vida! O COI esqueceu-se de um princípio vital do manifesto Olímpico – o de tolerância!".

Mesmo assim, foi permitido que Andreea ficasse com a medalha de ouro por equipe e a de prata do salto sobre o cavalo. Porém, no momento do seu 17º aniversário no dia 30 de setembro ela estava considerando o fim de sua carreira. No entanto, bem de acordo com seu dinamismo, sua personalidade, a jovem romena escolheu voltar atrás, finalmente. "Eu não fiz nada errado e eu estou em paz comigo porque eu sei que eu não menti. Eu vou provar para o mundo que eu posso ir muito além do que Sydney!”. Com a aposentadoria iminente de Simona Amanar, apesar de coroada com o ouro Olímpico, e a boa dose de condolência pública que Andreea atraiu ao redor do mundo, não restam dúvidas que o testamento romeno ardente voltará à cena e ávido por 'vingança'. Em Atenas ela terá 21 anos. Simona Amanar, a nova campeã Olímpica, tem 20 anos. É só aguardarmos!

Perfil

Nome: Andreea Madalina Raducan.
Aniversário: 30 de setembro de 1983.
Idade: 17 anos.
Signo: Libra.
Local de Nascimento: Barland, Romênia.
Residência: Deva, Romênia.
Apelido: Gogosarul (bell pepper).
Cor do Cabelo: Castanho escuro.
Cor dos Olhos: Castanho.
Ocupação: Estudante.
Interesses: Cachorro e Disco Music.
Línguas: Romeno e Inglês.
Estatura: 1,48 m 
Peso: 36 Kg
Outros esportes Favoritos: Patinação artística e nado sincronizado.

Na ginástica

Início na Ginástica: 1988.
Técnicos: Octavian Belu e Maria Bitang.
Clube: Cetate Deva.
Nível: Elite Internacional Adulto.
Grande Momento na Ginástica: Olimpíadas de 2000.
Horas de Treinamento por Semana: Cerca de 40.
Amigas de Equipe: Todas do time nacional da Romênia.
Aparelho Favorito: Trave.
Música de Solo Atual: La Caretas del Roccio.
Maior Contusão: No cotovelo em 1996.
Anos na Equipe Nacional: 4 (1997-2001).

Colaborou: Marcelo Miyashiro

Confira mais imagens de Andreea Raducan:

01  02  03  04  05  06  07  08  09  10  11  12  13  14  15  16  17  18  19  20

 
 
 
     
   
 
 
 
Resolução mínima de 800x600 IE 5.0
© Copyright Ginásticas.com 2000-2003,
Denis R. Patrocinio